Alice Munro | Nobel da Literatura 2013!

quinta-feira, outubro 10, 2013

-->


Alice Munro é um portento na arte do conto. Acaba de ganhar o Nobel da Literatura 2013. Aqui ficam críticas que fiz aos seus livros nos últimos anos.

Alice Munro (n. 1931), talvez a melhor contista da atualidade, estreou-se em 1968, mas só foi revelada por cá em 2008, pela Relógio D’Água. Após as antologias Fugas (de 2004), O Amor de uma Boa Mulher (1998) e A Vista de Castle Rock (2006), edita-se O Progresso do Amor, de 1986. São onze contos sobre as ilusões e desilusões amorosas de homens e mulheres comuns, habitantes sobretudo do Ontário rural, espaço natal e de eleição da autora canadiana. Na maioria dos enredos, trata-se, como refere uma personagem no seu caso individual, de «erros de fuga», confundíveis com erros passionais. Brechas nas ações e cenários quotidianos das personagens que abrem caminho a ligeiríssimos movimentos das placas subterrâneas que sustentam as vidas, por sua vez fonte de intensos, mas subtis, choques à superfície.
A grande ficcionista Joyce Carol Oates diz que Munro  «escreve contos com a densidade — moral, emocional, por vezes histórica — dos romances de outros autores». A própria esclareceu que os desenvolve como se sentisse «a tensão numa corda, ciente apenas de aonde ela está atada». O que mais espanta é a exímia conjugação de contenção de meios e riqueza densa do mundo interno de cada personagem, explorado sempre na terceira pessoa do singular («Ela, que sempre tivera um ar pálido, sedoso e dócil, mas difícil de seguir, como uma marca de água»; Edgar está sentado «como um adorno polido, quase sempre imóvel»).
Munro não é dada a grandes experimentalismos técnicos e não hesita sequer em abusar das metáforas ou da adjetivação. Nela, tudo surge com uma espontaneidade e um talento desarmantes. Notável na elasticidade das frases e dos diálogos, desenvolve estruturas pragmáticas a partir de uma luminosa atenção aos detalhes. Nada é estático, ainda que a evolução das personagens (a vida «a recuar como uma fotografia rasgada e enrolada sobre si, mostrando o que sempre tivera por trás») surja com a densidade de uma espessa camada de neve. No brilhante «Ataques», que só por si vale o livro, o homicídio-suicídio de um casal serve, afinal, para explorar a enigmática personalidade de uma sua vizinha. Indiretamente, Munro descreve a forma direta e dramática como as vidas de gente comum se encontram ligadas, pelo banal e pelo extraordinário.
O Progresso do Amor, Alice Munro, Relógio D’Água, 314 págs., 18 euros
SOL / 26-08-2011

Primeira advertência: para quem gosta de contos a leitura da obra de Alice Munro será um prazer raro. Segunda advertência, e um lamento: foram precisas quase quatro décadas para que a edição portuguesa a descobrisse. Seis meses depois da primeira tradução de Munro, com a antologia Fugas (primeiro publicada em 2004), a Relógio d’Água reincide e propõe os oito contos de O Amor de Uma Boa Mulher (uma recolha original de 1998). A descoberta da autora canadiana nesta dose dupla permite entrar a fundo na sua máquina de conversão de material autobiográfico em histórias que, com a paisagem de fundo do seu Ontario natal, são extraordinárias na descrição da evolução temporal dos sentimentos e laços afectivos das personagens.
Tal como aconteceu com a canadiana Margaret Atwood no romance, nos anos 70 Munro foi adoptada pelos norte-americanos como um dos «seus» melhores contistas – no seu caso graças à publicação regular de contos na revista «The New Yorker». Com doze antologias e um romance publicados, Munro (hoje com 76 anos) é conhecida pela sua capacidade de conferir um movimento elástico à narrativa. Num estilo aparentemente económico e directo, ela penetra na psicologia das personagens através da acção e dos diálogos, rejeitando as descrições estáticas. Para o leitor, esta forma de contacto com as realidades quotidianas das personagens resulta numa experiência dinâmica e comovedora.
Nos contos de Munro, os catalisadores da acção podem ser movimentos de fuga a um matrimónio, a um passado, aos laços familiares ou às limitações provocadas pela doença ou pelo envelhecimento (como em «Fugas»). Por vezes, resultam de impulsos de identificação, concretização ou repulsa de fantasias (todas elas femininas, em O Amor de Uma Boa Mulher). Mas o que marca a originalidade destas histórias é a extrema atenção dada a pequenos pormenores (lembranças, palavras ou factos) que desencadeiam e iluminam a compreensão do universo de cada personagem.
Tal como diz Robin, a protagonista de «Truques» (Fugas), «basta movermo-nos um centímetro para aqui ou para ali e estamos perdidos». A intuição de Alice Munro permite-lhe determinar e descrever esses epicentros de crise. No brilhante «Podre de Rica» (O Amor de Uma Boa Mulher), a personagem Karin descreve-se como «algo de imenso, de tremeluzente e autónomo, com picos de dor em certos sítios, e no restante uma extensa e monótona planície». São assim as personagens de Munro: imensamente iguais a nós e dramaticamente diferentes.
O Amor de uma Boa Mulher, Alice Munro, 265 págs., 17 euros
LER / Maio 2008

Facto: o mercado editorial português está a mudar de modo profundo, como o prova a apresentação, no passado dia 7, do novo grupo editorial, Leya, que reúne oito editoras (entre elas, Asa, Caminho, Dom Quixote e Texto) e pretende publicar, ainda em 2008, três livros por dia. Mas pergunte-se: que vantagens trará este novo cenário de concentração para os leitores interessados não em «bestsellers», mas nos títulos clássicos ou contemporâneos que, mesmo sem grande volume de vendas, representam o que de melhor se fez e faz em literatura? Provavelmente, muito poucas.
Vem isto a propósito da edição recente da antologia de contos «Fugas», de Alice Munro, por uma editora independente de dimensão média, a Relógio D’Água, que possui o mais prestigiante e consistente catálogo de grande ficção e ensaio internacionais (ainda que, por vezes, com traduções de questionável qualidade). Munro nasceu em 1931, na província canadiana de Ontario, cenário privilegiado da sua ficção. Estreou-se com sucesso imediato nos anos 60 e, na década seguinte, a publicação dos seus contos na revista “The New Yorker” levou os norte-americanos a adoptá-la como um dos seus melhores contistas (no «The New York Times» foi qualificada como «um dos colossos vivos do conto moderno»). Entretanto, publicou doze antologias de contos e um romance. Mas, pasme-se, «Fugas», de 2004, é o seu primeiro livro editado em Portugal. Ou seja, durante 40 anos a sua obra foi desconhecida ou não aliciou qualquer editor português.
O estilo único de Munro assenta na extrema economia no tom das suas narrativas e na capacidade da escritora em distinguir dimensões misteriosas, pela sua maravilha, absurdo ou violência, no quotidiano mais comezinho. Quer trate de crises ou separações matrimoniais, conflitos de geração, resgates do passado ou vulnerabilidades físicas particulares, Munro aplica a sua acuidade psicológica a personagens em movimento por locais precisos. Aqui, estão todas em alguma espécie de fuga. O segredo da narrativa está contido na ressonância de uma imagem, uma frase ou um determinado acontecimento ao longo do percurso de vida da personagem. No início de Fevereiro de 2008, a Relógio d’Água editará outra antologia de Munro: «O Amor de uma Boa Mulher».
Fugas, Alice Munro, Relógio D’Água, 263 págs., 15 euros
SOL / 12-01-2008

© Filipa Melo (interdita reprodução integral sem autorização prévia)

Pode Também Gostar de Ler

2 comentários