entrevista

John Banville | O sentimentalismo é a morte da arte