Haruki Murakami | Escada de emergência

quarta-feira, dezembro 14, 2011



Existe um ponto de fuga para o mundo em que vivemos? Murakami diz que sim.
Neste livro de quase 500 páginas, resiste até ao fim a imagem inicial. Em 1984, no meio de um engarrafamento numa autoestrada de acesso a Tóquio, a jovem Aomame («ervilha verde») decide abandonar o táxi onde segue e descer até ao nível do solo, transpondo o acesso interdito a uma escada de emergência, que quase ninguém sabe que existe. A realidade é apenas uma, é certo, mas ela decide escapar-lhe, transpondo-a. No romance de estreia, Hear the Wind Sing, de 1979 (não editado fora do Japão), a alienação e a cultura ocidental foram os primeiros pontos de fuga para os personagens de Haruki Murakami (n. 1949). Após dez romances e uma extraordinária adesão planetária,  o escritor japonês radicaliza a proposta. 1Q84 é um «mundo-com-um-ponto-de-interrogação», uma paisagem que funciona como alternativa-espelho à realidade conhecida. É também um ano de 1984 imaginário, dividido em três livros. O primeiro volume acaba de sair, pela Casa das Letras (o segundo sai em Maio, o terceiro, em Julho).
Publicados no Japão entre 2009 e 2010, os três volumes de 1Q84 têm sido apontados como a obra-prima de Murakami. Pela primeira vez, o escritor escreve na terceira pessoa, alternando por capítulos a perspectiva sobre cada uma das duas personagens centrais: Aomame, a jovem PT de artes marciais e cirúrgica assassina em part-time, e Tengo, o professor de matemática que se torna coautor-fantasma de um livro onde se revelam pormenores perigosos sobre uma comuna-seita, a Vanguarda. Será inevitável o reencontro dos dois, após uma complexa rede de tergiversações, consumando-se a paixão que nasceu na escola primária e os manteve sempre unidos, apesar da distância.
Famoso por transpor os limites convencionais entre alta literatura e literatura comercial, entre ocidente e oriente, em 1Q84 Murakami atinge o auge enquanto híbrido simbólico e de culto (como o poderoso Líder omnipresente no romance em contraste com as enigmáticas criaturas do Povo Pequeno), surpreendendo-nos com uma proposta estranhamente composta por não-realismo, distopia e fantasia (evocando George Orwell) e um detalhado e premente retrato social (evocando Dickens). Aqui, o mundo e o tempo perdem a sua ordenação sistemática. A fuga é feita ao som da Sinfonietta de Janáček.

1Q84, Haruki Murakami, Casa das Letras, 490 págs.

SOL/ 25-11-2001
© Filipa Melo (interdita reprodução integral sem autorização prévia)

Pode Também Gostar de Ler

0 comentários