António e Cleópatra | Estrategas «quase» com coração

quinta-feira, abril 18, 2013





A culpa é de Shakespeare, porque arruinou a lenda pejorativa orquestrada pelos historiadores de Octaviano/Augusto contra o casal que ameaçou a Pax Romana no século I a.C.. Assim, Marco António, o líder militar malignamente ambicioso, e Cleópatra, rainha sanguinária capaz da sedução sexual mais chã, transformaram-se no mais imortal casal de amantes-suicidas. Mas, afinal, onde está a verdade histórica?
Após Generais Romanos: Os Homens que Construíram o Império Romano e César: A Vida de um Colosso (Esfera dos Livros), o historiador classicista inglês Adrian Goldsworthy (n. 1969) quis contar a história deste casal «tão objetiva e imparcialmente quanto possível, pois ela já contém paixão suficiente sem que o autor precise de acrescentar muitos dos seus próprios comentários». António e Cleópatra (Esfera dos Livros) saiu em 2010, a par de Cleópatra (Civilização), um retrato da última rainha do Egito muito completo, mas muito efabulado, que valeu o Pulitzer à biógrafa Stacy Schiff.
Talvez só pela leitura destas duas perspetivas se atinja a conjugação de mito e história exigida pela força enigmática das personagens, pelas lacunas das fontes e pelas evidências arqueológicas. Mas, se conhecer o romance entre o casal permanece tarefa quixotesca, Goldsworthy prova que é possível entendermos a sua aliança e derrota num contexto político e ideológico amplo e bem fundamentado. «Cleópatra não foi de facto assim tão importante», mas foi sem dúvida «um animal político» e Marco António não foi «um general particularmente brilhante», teve «mais insucessos do que êxitos», mas deve ser retirado da sombra de Cleópatra, porque simboliza bem as lutas intersticiais no fim da República e início do Império em Roma. Quando se uniram, António e Cleópatra estavam ambos enfraquecidos. Em 500 páginas, percebemos como e porquê, numa história que é mais política e militar, mas que ainda assim não dispensa um toque de paixão.

António e Cleópatra, Adrian Goldsworthy, Esfera dos Livros, 521 págs., 25 euros

SOL/ 04-01-2013
© Filipa Melo (interdita reprodução integral sem autorização prévia)

Pode Também Gostar de Ler

1 comentários